Beda 17 – Solo

O prazer de uma leitura, de acompanhar um bom enredo, com narrativa que te seduza. Saber de vidas que você até conheceu superficialmente, através das mídias. Confissão consentida que o autor que se autobiografa nos faz sentir próximos, dele e de sua vida. Por essas e outras, gosto de ler biografias.

O livro que li, me fez viajar por um Brasil que não conheci, num período em que pessoas talentosas envolvidas com as artes no geral – em especial a música – se envolviam por amor e não pelos cinco minutos de exposição, como é tão comum hoje.

Através do livro Solo: memórias, de Cesar Camargo Mariano, pude conhecer mais a fundo o que já tinha certo conhecimento, ao ler a outra biografada que teve uma ligação estreita com ele, Elis Regina.

Mas, ao contrário do livro Furacão Elis, de Regina Echeverria, nesse livro de Cesar, houve momentos de leitura em que tive a nítida impressão que o próprio estava sentado à minha frente tomando uma dose de uísque e, tranquilo e sem pressa, me contava sua vida de músico desde sua entrada precoce no cenário musical até os dias atuais.

Vivi através da leitura, momentos importantíssimos de nosso panorama musical e pude ter o privilégio de conhecer e saber um pouquinho mais sobre figuras ilustres da noite carioca e paulistana. Saber como surgiu a ideia e a realização – com todos os seus percalços – do inesquecível show, Falso Brilhante.

Ficar a par das inúmeras dificuldades e da insegurança para se realizar um sonho quase impossível, de gravar um disco de Elis e Tom Jobim e, depois, saber o passo a passo da gravação até chegar a reta final do trabalho. Hoje, considerado um dos melhores e mais bonito do mundo.

Sou fã assumida de toda essa família: Cesar, Elis e filhos que hoje, continuam a disseminar o talento herdado: Pedro Mariano e Maria Rita. Cresci ouvindo Elis e curtindo sua obra. Senti imensamente sua partida antes mesmo de eu debutar em shows. Lamento até hoje.

Na década de noventa conheci seu filho Pedro, até então um desconhecido de todos e, me encantei com sua bela voz e swing no palco. Tive o privilégio de assistir ao show de Cesar acompanhado do excelente guitarrista e violonista Romero Lubambo, no Sesc Vila Mariana. Me apaixonei pela música instrumental que até então, conhecia bem pouco.

Enfim, poderia ficar aqui desfiando muita coisa que li, constatei, conheci, relembrei – como por exemplo – a homenagem que seus filhos fizeram em pleno palco quando fez sessenta anos. Estava presente nesse show e, ler essa passagem, me remeteu à essa noite memorável e emocionante. Foi linda demais!!

Espero que minhas divagações acerca desse livro tenha despertado em vocês a vontade de ler. Você termina o livro, se sentindo amiga(o) íntima(o) desse nosso grande maestro, arranjador e músico, do mais alto quilate. Cesar, obrigada por nos abrir suas portas e janelas e nos convidar a entrar! Fechei o livro, já sentindo saudades. 

Esse texto faz parte do b.e.d.a — blog every day august.

Participam Adriana Aneli — Claudia Leonardi — Darlene Regina – Lunna Guedes – Mariana Gouveia — Obdulio Nuñes Ortega

Imagens: acervo pessoal

5 comentários sobre “Beda 17 – Solo

  1. Nossa, já estou a imaginar-me com um chá em mãos, o canto do sofá e o som das páginas viradas… amanhã eu vou a Livraria da Vila e já vou ver se tem por lá. Detalhe. Não vou a uma livraria desde fevereiro do ano passado. aff

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s