Iniciando uma nova história

Ano de 2021 começou para mim de forma inédita: iniciei ele desempregada ou, como gosto de dizer: disponível para o mercado.

Foram mais de trinta anos trabalhando ininterruptamente. O ano de 2020, com toda a sua bizarrice, serviu de parada obrigatória onde aproveitei o tempo livre para botar na balança tudo o que vivenciei esses anos todos. Reconheço e sou grata por todas as minhas conquistas que não foram presentes do universo mas, preciosidades que lutei e trabalhei muito para conseguir. Analisei também meus fracassos, minhas falhas, minhas perdas. É importante encarar a tudo.

Aos poucos, fui me conscientizando de que – apesar de todo amor e gratidão que nutria pelo ambiente de trabalho e da equipe que se tornou minha segunda família -, era hora de zarpar e partir para singrar outros mares.

Vou confessar: talvez tenha sido a decisão mais difícil que tomei em toda minha vida. Já havia sentido isso antes: não pertencimento. Por mais que me esforçasse, não me sentia mais parte daquele contexto. Talvez porque minha alma já havia partido em busca de novos espaços, conquistas, desafios.

Nunca me casei mas, senti como se estivesse em um casamento de longa data, com filhos criados, casa bonita, carro do ano, férias anuais em interessantes lugares, companheiro parceiro, comprometido com você e leal, que te proporciona conforto, uma gorda mesada mensal e reconhecimento. No entanto, por mais que o meu carinho, reconhecimento e lealdade falasse alto, um desconforto já estava instalado em meu interior.

Deu-se o conflito!

O que fazer? Por que sinto isso? Será passageiro? Sou ingrata? Estarei em crise? Será que todos passam por isso?

Foram tantos questionamentos levantados que quase perdi a razão. A maioria das pessoas não compreenderam minha crise e meu desejo de sair, botar um ponto final em uma história tão bonita.

Talvez a minha veia de escritora tenha falado mais alto e como aprendi, toda história precisa de um começo, um meio e um fim. Minha história estava como costumam dizer “criando barriga” com “excesso de gordura”.

Por mais que gostasse dos personagens, era preciso encerrar para iniciar uma nova história. Coloquei um The End e encerrei a história que comecei a escrever em meados de 1995.

Cronometragem zerada. Comecei o ano vivenciando cada momento, cada segundo do meu dia que agora conta com muitas horas à minha disposição para aproveitá-las como bem quiser. Por enquanto, não desejo procurar nada. Quero me dar de presente, momentos de puro ócio – que como já bem intitulou o filósofo italiano Domenico De Masi -, ócio criativo. Estou aproveitando esses dias do primeiro mês de 2021, lendo bastante, assistindo filmes e séries, desenvolvendo projetos literários para futuras publicações pois desejo me entregar mais e mais a esse outro ofício: escrever.

E por falar em escrever, você que me lê, já encomendou seu exemplar do Equação Infinda? Ah… Não creio que ainda não tem em mãos! Corre que ainda dá tempo.

Aproveitei o dia de hoje, sábado, para dar uma senhora faxina e organizada no apartamento. Essa é outra atividade que muito me agrada pois uno o fato de limpar e jogar fora o que não mais me serve, com minhas emoções analisadas e desnecessárias que também jogo na lata do lixo. Mas sobre isso, falarei novamente em um outro texto.

É muito bom recomeçar!

Muito prazê, Carminha!

Elas ainda permanecem comigo. Foram meses de convivência diária. Hoje, ganharam vida própria e pouco a pouco, entrando em outros lares e convivendo com outras pessoas. Sinto-me orgulhosa em tê-las gerado.

Apresento Carminha: filha de imigrantes italianos, viveu no bairro da Mooca em São Paulo, até conhecer e se casar com Gustavo. A convivência com seus pais e vizinhos de origem italiana, gerou uma forma peculiar de se expressar que muitas vezes parece errado aos nossos ouvidos contudo, foi comum entre a mistura da população italiana e brasileira. O que conhecemos hoje como um dialeto Mooquês.

09 de agosto de 1932


CASEI!

Tudo aconteceu tão rápido que mesmo deitada ao lado de Gustavo, que dorme profundamente e até ronca de forma suave, ainda parece um sonho.

Papà exigiu tomada de atitude para que sua figlia não ficasse mal falada.

Estava num misto de ansiedade, felicidade e medo.

Medo do que seria essa tal “Lua de Mel” que as mulher casada falavam e davam risadas entre si.

A cerimônia e festa foi bem bonita ma noi due nem aproveitamo como os convidado. São tantas as etiqueta e convenção que devemo segui que fomo os que meno se divertiram.

Ao chegá ao hotel, Gustavo estava sério e calado. Pensei: Coitado, deve está cansado que nem eu.

Não via a hora de entra, tira a roupa, chutá longe os salto alto que estavam mutilano meus pobre pé, tomar um banho quentinho e desabá na cama para dormir.

Gustavo quis tomar banho primeiro porque disse que mulher demora demais no banho.

Concordei afinal, ia aproveitá para abri as mala e já organizá as roupa no armário.

De banho tomado e de camisola, baixo em mim uma vergonha absurda. Nunca havia dormido ao lado de um homem!

Gustavo estava elegante em seu pijama e roupão. Estava próximo a janela fumano e com um copo de whisky na mão.

Observano minha timidez , aproximo de mim e disse para eu tomá um gole do destilado. Relaxaria um pouco.

Falei que não bebia mas ele repetiu a frase, agora com um tom autoritário. Não tive como negá.

Minha única condição foi que tudo fosse feito na escuridão do quarto. Uma intimidade nesse nível para mim era muito esquisito. Talvez com o tempo eu acostume mas, como primeira experiência, foi muito traumático. Ele precisa sê mais paciente e delicado comigo.

Enquanto ele fazia tudo aquilo, de olhos fechado, lembrava o passo a passo do guia para mulher casada que mamma me deu. Temo de satisfazê o marido, sê delicada, prestativa e acima de tudo, calada.

Vida de casada para mulher não é nada fácil. Bem diferente dos conto de fada.

Esse texto faz parte do livro Equação infinda que faz parte do Projeto 4 Estações, lançado pela Scenarium Livros artesanais

Imagem: Lunna Guedes (Pelo menos enquanto eu não tenho meu livros em mãos. Ah, essa pandemia!)

Nunca fui exata

Sempre fui péssima aluna nas matérias exatas. Nunca foram meu forte. Então porque fui me envolver com uma equação, pior: Equação infinda?

Quais motivos me levaram a isso? Se quiser saber a resposta, compareça ao lançamento do meu livro. Não estarei sozinha. Estarei ao lado de Aden Leonardo, Lunna Guedes e Mariana Gouveia

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Sou eu ali naquelas linhas

Sempre ouvi dizer que todo escritor, ao criar uma história, coloca muito dele. Achava graça nisso. Hoje no entanto, vejo o quanto de minha personalidade sai impresso nas histórias que escrevo.

No diário, permiti que muito de mim se manifestasse na história das três mulheres. Não tem como escapar afinal, independente de cada uma, todas nós do gênero feminino, sofremos as mesmas pri(pro)vações.

O mais comum, infelizmente, ainda é a atitude machista de desrespeito as nossas aspirações e desejos. Sempre cerceando nossos caminhos, nossas decisões inclusive com relação ao nosso corpo.

Desde pequena sentia sem compreender, um olhar de reprovação, uma palavra de julgamento, muitos nãos.

Inúmeras vezes fui repreendida com frases que marcam: “Isso não é brincadeira de menina”, “Comporte-se como uma menina”, Sente-se direito. Menina não senta assim”, “Menina não se veste assim” e por aí vai as inúmeras formas de engessar o comportamento feminino.

Longe de ser mensagem panfletária de cunho feminino, a história das mulheres de Equação infinda, expõe o que cada uma sofreu em sua época, independente da formação e experiências que vivenciaram.

Acompanhe essas mulheres e veja o quanto somos únicas e ao mesmo tempo iguais. O convite está feito e aguardo sua presença no lançamento do projeto 4 Estações. Não estarei sozinha. Os diários de Aden Leonardo, Lunna Guedes e Mariana Gouveia abrilhantarão o evento. Quando?

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

A cidade da minha escrita

Percorri mais de uma cidade durante a escrita do diário. Não posso dizer que é meu.

Percorri ao lado de Carminha, ainda mocinha, as ruas da Mooca e depois, acompanhei seu deslumbramento com a Cidade Maravilhosa, durante o Reveillon. Confesso que também me encantei com a cidade e suas paisagens.

Tanto que finquei raízes e, agora acompanhada de Lígia, percorri a orla carioca, com seus calçadões icônicos. Sentei ao lado de uma galera talentosa. Até um certo moço bonito, com topete, sorriso de lado e sempre acompanhado de um cigarro aceso no canto da boca a cantar as belezas das praias e sua musa de Ipanema.

Levantei voo ao partir para uma aventura de uma vida inteira ao lado de Verônica. Pousamos na Califórnia e lá, fizemos a festa em plena década de 80 e 90. Revivi ao lado dela, o que nunca vivi. A escrita tem isso de bom.

Contudo, como a imaginação nos leva para onde desejamos, retornei a São Paulo. Minha cidade do coração. Sempre. Metrópole que pulsa ininterruptamente. Vidas que seguem, que chegam e partem a todo momento.

Você também pode fazer esse itinerário. Basta participar do lançamento de meu livro que faz parte do projeto 4 Estações, cujo título é Equação infinda. Quando?

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Imagem licenciada: Shutterstock

O que escrevi em meu diário

Fui permissiva. Achei por bem deixar que a voz de outras mulheres assumissem meu diário.

Sim. Sei que diário é algo íntimo contudo, sozinha que me encontrava nos meses iniciais da quarentena, achei benéfico receber essas mulheres para me fazer companhia.

Foi uma convivência pacífica. Tivemos alguns momentos de tensão. No entanto, a força que uniu nós quatro, foi o suficiente para mandar para longe, o medo, a insegurança, a solidão.

Ao longo dos dias, semanas, meses, cada uma desfilou através de suas confissões, o rumo que suas vidas tiveram.

Já sinto saudades de Carminha, Lígia e Verônica. A propósito, elas também querem conhecer você, por isso, deixam o convite para o lançamento de Equação infinda. Quando?

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Imagem licenciada: Shutterstock

As quatro estações da minha escrita

Minha escrita aconteceu seguindo o tempo das estações. Nada foi provocado. Apenas foi surgindo mansamente como o sol se levantando a cada manhã. Suave, sutil, lentamente.

Quando dei por mim, percebi que ansiava por cada manhã para sentir novamente o calor a me envolver e me fazer sentir viva.

Os personagens foram se apresentando. A princípio, timidamente como todo início de relação. Depois, no contato diário, ganhamos confiança: eu como escritora e detentora da palavra. As personagens, feito massa modelar, se permitindo adequar-se à minha mente, usina de narrativas.

Dessa forma, os dias, semanas, meses, dessa quarentena fatídica, se transformaram em tempo precioso para nosso conhecimento e amadurecimento: amálgama perfeito!

Atravessei algumas estações mergulhada na construção de seres tão humanos quanto eu e você, leitor, que por hora passeia os olhos por esse texto. Fui Deus!

Se através de minhas pistas, você por acaso ficou curiosa(o) em conhecer meu mais novo trabalho, deixo aqui meu convite. Não. Convite não. Deixo a porta semiaberta para aguçar seu desejo em espiar meu diário Equação infinda. Quando?

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Imagem licenciada: Shutterstock

As quatro estações do ano

Quando jovem, nunca havia parado para refletir sobre as estações do ano e sua importância. Apenas vivenciava os dias, o arrastar das horas, minutos. Atravessava as estações ligada no piloto automático afinal, eram tantas coisas a se descobrir, experiências a acumular. Não havia espaço para filosofar.

Aos vinte, trinta anos, identifiquei-me com inverno. Foi um período de introspecção, mergulho na espiritualidade, no oculto, na frieza da não matéria.

Ao ingressar nos quarenta, passei a apreciar o outono e suas nuances amareladas e avermelhadas da paisagem. Mesmo vivendo em país tropical, é possível observar a mudança sutil na natureza e, é de uma beleza única.

Ao término do ciclo dos quarenta anos, atravessei muitas tempestades internas que me fizeram questionar o tripé das verdades em que me equilibrava. Foi necessário recorrer a ajuda de um profissional da psicanálise. No mergulho em minhas entranhas emocionais, resgatei a garotinha alegre e sorridente que fui e junto dela, a luz se fez trazendo a quentura e o abraço do sol. Fez-se verão.

Atualmente, já beirando a casa dos sessenta, encontro-me em plena primavera. Minhas emoções transformaram-se em lagoa antiga. Águas límpidas, sem muito movimento mas que tem um frescor que só se alcança através da sabedoria. E isso, somente vivenciando, experimentando, aprendendo. Trago comigo a troca de minhas folhas. Aguardando nova floração.

Toda essa simbologia das estações, se encontra presente em minhas personagens do livro Equação infinda que, em breve, será lançado.

Deixo aqui o convite para participar do lançamento. Quando?

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Imagem licenciada: Shutterstock

Sim, eu escrevo diário

Comecei com essa brincadeira séria, por volta dos doze para treze anos. Virou febre entre a meninada assim como aqueles questionários que respondíamos e repassávamos.

Tomei gosto. Escrever sobre meu dia e o que acontecia, passou a ser um exercício que me acalmava, dava prazer. Contudo, sempre escrevendo sorrateiramente para que ninguém descobrisse. Nas páginas do caderno que adotei como diário, despejava minhas nuances mais íntimas que não revelava a mais ninguém.

Até que um dia, tornei-me adulta e a vida repleta de responsabilidades, tirou da minha rotina o prazer da escrita. Décadas mais tarde, retornei ao exercício de escrever. Diário nunca mais. Permaneceu no passado.

No início desse ano, recebi a proposta indecente de boa, de Lunna Guedes, para participar do projeto 4 Estações, em forma de diário.

Foi um prazer voltar a esse formato de escrita. Contudo, não escrevi minha rotina. Dei espaço para que três mulheres confiassem em mim e registrasse suas vidas, mazelas, conquistas e perdas. Fui apenas o fio condutor delas nessa história que, em breve se materializa num livro físico: Equação infinda.

Lançamento: 28/11/2020,

Local: Facebook pela página da Scenarium (ao vivo)

Horário:  17h (horário de Brasília).

Imagem licenciada: Shutterstock

Projeto 4 Estações

Ao aceitar o desafio de escrever uma história para o Projeto 4 estações, me vi diante de um impasse: Sobre o que escrever?

Após alguns rascunhos, pouco a pouco, as personagens foram se apresentando, desnudando-se diante de mim. No decorrer da escrita, elas, mais confiantes que eu, desenharam nas linhas invisíveis da tela, seus sonhos, projetos, amores, decepções, tristezas. Através das estações, tingiram as páginas com suas confissões à seus diários durante boa parte de suas vidas.

Deixo o convite para você leitor, acompanhar Carminha, Lígia e Verônica e tentar decifrar a equação de cada uma.

Histórias que poderiam ser as minhas, as suas, as de qualquer ser humano afinal, somos todos uma equação infinda.

Mas não estou sozinha nesse projeto. Aceitaram o desafio da Lunna Guedes, as escritoras Mariana Gouveia e Aden Leonardo. Os trabalhos que serão lançados nessa data são:

Varanda para abrigar o tempo /Aden Leonardo

Desvios para atravessar quintais/Mariana Gouveia

Aos sábados/Lunna Guedes

Equação infinda/Roseli Pedroso

Lançamento online via Facebook pela página da Scenarium.

Dia: 28 de novembro

Horário: 17h00

Se inscreva, link na bio!