Caloroso amante

Desde pequena, preferia a natureza aos humanos. Os adultos eram complicados e as crianças, idiotizadas. Na família, era tida como a caçula esquisita. Trocava qualquer brincadeira para ficar na companhia das galinhas e patos do terreiro, dos gatos vagabundos da vizinhança, dos cães de rua. No entanto, sua companhia preferida eram as plantas.

Sentia imensa alegria ao acompanhar o crescimento delas em vasos, horta e pomar. Traçava diálogos longos e animados com as margaridas do jardim, avencas, jiboias, lírios da paz. Era íntima das hortaliças. Ouvia com muita atenção as reclamações do pé de tomates, surpreendia-se com as confissões dos alfaces, as fofocas do pé de chuchu que adorava se esparramar contando tudo em detalhes.

Ao término de cada dia, permanecia petrificada admirando o pôr do sol. Aquela bola de fogo no céu a estasiava. Não cansava de assistir ao bonito espetáculo.

Seu sofrimento tornou-se constante ao ingressar na escola. As crianças mostraram diariamente o quanto podem ser más. Todo dia, uma brincadeira nova para humilhar a tal da “esquisitinha caipira”. Sua dor emocional começou a se manifestar em seu corpinho franzino. Brotoejas, resfriados, febre, noites mal dormidas, perda de apetite.

Retornava para casa e se refugiava em meio a plantação onde, entre lágrimas, expunha para suas companheiras seu drama.

Seus pais, preocupados, passavam as noites discutindo o que fazer sobre o comportamento da pobre menina. Sua mãe, amorosa, dizia que tinham que ter paciência com a pequena. Era de todos, a mais sensível. Seu pai, homem rude, discordava. Para ele, só mesmo uma boa sova resolve mimos. Caso não melhorasse, ele ameaçava retirá-la da escola. Afinal, pra que tanto estudo para uma menina? Melhor trabalhar sua personalidade para os afazeres de casa.

Em pouco tempo sua ameaça se concretizou. Ao contrário de receber como castigo, a pobrezinha agradeceu imensamente a bondade do pai em dar por encerrado seu sofrimento. Jurou que nunca mais entraria em uma escola. Agradeceu também, junto ao pé de café, as orações que suas companheiras da flora fizeram, intercedendo por ela.

As folhas do calendário foram rolando uma a uma até chegar ao aniversário de dezoito anos. Aquela mirrada criança se transformou em uma bela moça. Uma beleza sem retoques artificiais. Cuidava dos afazeres domésticos com sorriso sempre presente no rosto que agora, adquirira cor pois passava horas ao sol, lavando, estendendo roupas no varal, levando comida aos porcos, galinhas, patos. Aguando a plantação.

Muitos pretendentes surgiram no entanto, nenhum despertava seu interesse. Seus irmãos foram se casando e mudando nas proximidades. Ela, firme na convicção de que não desejava casar com ninguém. Sua mãe apenas acenava com a cabeça e pensava: Nem todas vieram para casamento. Ela será nosso amparo na velhice. Confio em sua bondade.

Novas folhas do calendário rolaram. Muitas estações mudaram encerrando seus ciclos naturais. Agora, aos trinta e cinco anos, quase nada mudou em sua rotina. Alguns fios de cabelo branco surgiram em sua vasta cabeleira que mantém arrumado num coque. Ganhou alguns quilos que – ao contrário de suas irmãs agora mães -, trouxe-lhe sensualidade. O trabalho pesado fortaleceu sua musculatura. Ganhou pernas e braços torneados, belos. As rugas ao redor dos olhos e boca não a envelheceram, trouxeram-lhe uma aura de sabedoria. Aprendeu a arte e os benefícios medicinais das plantas e agora, recebe mães com suas crianças para benzer e passar medicações que a natureza oferece. Transformou-se numa guardiã e estudiosa das ervas.

Outro hábito adquirido com o passar dos anos, foi permanecer nua em seu quarto. Sentia-se integrada à natureza. Sabia ser parte dela. Como as demais pessoas jamais aceitariam tal comportamento, confina-se em seu espaço após a labuta e, toda tarde, antes do sol se pôr, desnuda-se, deita ao chão próximo da janela que, para seu deleite, é grande, e passa as horas finais do dia sentindo-se abraçada pelo calor. Despede-se dele como quem se despede do amante. Com olhar de quem deseja mais e mais. Hoje, pela primeira vez, sentiu algo diferente. Enquanto tomava seu banho de sol, mantendo os olhos fechados, ouviu uma voz masculina pedindo para que abrisse as pernas. Mesmo estranhando, obedeceu. Aos poucos, o calor do sol envolveu seu botão ainda intocável. Delicadamente, desabrochou abrindo-se.

Inexperiente, assustou-se querendo fechar as pernas contudo, a voz novamente disse-lhe: Não meu amor, confie em mim. Quero te fazer mulher e feliz. Relaxe e deixe-me penetrá-la. Desejo te conhecer por dentro também.

Entre contorções que a princípio foram suaves até o espasmo e o grito de prazer intenso, sua primeira experiência sexual foi na companhia desse, que se tornaria seu companheiro até a hora derradeira, quando retornaria à natureza, transformando suas moléculas em adubo para uma formosa quaresmeira e, continuar pela eternidade, a receber os carinhos de seu amante.

Imagem licenciada: Shutterstock

Um entre tantos por aí

Ele reinou soberano entre as mulheres. Sempre foi assim e, pelo visto, será até chegar o dia de se aposentar dessa vida. A presença masculina nunca foi o forte em sua existência. É claro, teve pai, irmãos, primos. Contudo, a presença feminina foi marcante em seu dia a dia. A mais forte foi, sem dúvida, sua mãe. Mulher de atitude. Bonita a sua maneira. Não foi mulher de vaidades. Gostava de andar descalça, sentir a terra, esfregar a sola ressecada na canela e assoviar enquanto realizava as atividades do lar. Sempre alegre. Tinha também seus momentos de histeria e nervosismo. Seu marido, ralhava por não manter uma pose de mulher casada e séria. Gargalhando, saía rebolando e sempre respondia:

-Quem quiser falar de mim à vontade, pois quem fala por trás, o cu é quem escuta.

Ele, às escondidas para seu pai não ver, ouvia e saía sorrateiramente para o paiol da casa com um tímido sorriso pela ousadia e vitória de sua mãe. Sua adorada mãe.

A companhia constante dela moldou seu espírito simples, trouxe-lhe doçura e simplicidade. No entanto, seu pai teve um peso imenso e o engessou com orientações religiosas que fizeram dele, eterno infeliz. Amedrontado pelas idéias de pecado e tormentos no inferno, não ousou sentir prazeres.

Trabalhar, trabalhar e trabalhar sem se perder em coisas materiais. Esse foi o lema assumido e seguiu sem refletir se era o certo. Tinha de ser afinal, seu pai rezou por essa cartilha também!

Transformou sua existência num grande discurso de amor ao próximo. Todavia, foi incapaz de tolerar as diversidades na própria família. Que ironia!

Não permitiu se apaixonar. Cerziu o coração para o amor de uma mulher. Tão pouco deixou fresta para um amor homossexual. Deus castiga!

A vida passou, a juventude também. A maturidade trouxe o endurecimento das articulações e de seu coração.

Não casou, não teve filhos, não cultivou amigos e os poucos que fez, morreram.

A solidão é sua companheira constante. É ela que lhe faz companhia da hora que acorda a hora que cerra novamente os olhos numa fuga insana para o mundo dos sonhos. De onde não deseja mais regressar.

Imagem licenciada: Shutterstock

Raça superior

Era madrugada quando acordou assustada. Levantou e saiu apressada em direção ao banheiro. O que será que havia comido no dia anterior para estar com tanta cólica? Repensou entre uma gemida e outra:

-Pela manhã tomei meu café e um pão francês na chapa acompanhado de ovo mexido. Sempre como isso nunca me fez mal.

-Depois, no almoço, um risoto com  ervas, salmão grelhado e salada de folhas e tomate cereja com um filete de azeite e vinagre balsâmico.

-À tarde, o lanche foi uma banana prata, mix de oleaginosas, uma xícara de chá de frutas vermelhas.

-Por volta das 20h, uma tapioca recheada de abobrinha refogada com cenouras e ervas acompanhada um copo de suco de uva. Antes de deitar-se, uma xícara de chá de hortelã.

Acalmou-se. Nesse meio tempo, seu olhar capturou uma microscópica formiga que acabara de sair do canto do banheiro. Esse ser tão pequenino a fez refletir o quanto a humanidade é tola em se achar o máximo da inteligência. Constatou que, além de arrogantes, são dotados de uma cegueira que os impede de ver o real tamanho diante do universo. Observou a perseverança da formiga em arrastar um micro pedaço de casca de pão.

-Coitada! Deve ser mãe solteira e se preocupa em levar alimento para sua cria. Como a maioria das mulheres. Fala sério! Se todos que tivessem uma dor de barriga pela madrugada, tirasse um segundo para refletir sobre as questões filosóficas que nos move, aposto que essa merda de mundo seria bem melhor.

Mais alguns minutos acocorada. Aliviada, optou por uma ducha quente e, em paz e sonolenta, retornou a maciez de sua cama. Quase dormindo teve um pensamento rápido:

-Amanhã antes de sair pro trabalho, preciso aplicar  o veneno em gel para formigas. Deus me livre de conviver com esses bichos. Deus me livre!

Imagem licenciada: Shutterstock

Amor padrão risca de giz

Em meio aos caos de início da noite, numa cafeteria frequentada por jovens, uma pessoa se destaca. Sentado sozinho numa mesa de canto, o homem saboreia seu café com o pensamento longe dali. Relembra sua mocidade constatando que lá atrás, já era um frequentador de cafeterias. Sempre foi o local preferido para pensar, observar e escrever. Muitos textos a princípio e depois, com carreira já consolidada, vários de seus livros foram escritos nessa ambiente. Sorri de forma desencantada ao relembrar que esses espaços eram cheio de charme e liberdade.

Hoje, transformadas em espaços glamourizados, pessoas circulam por elas munidas de seus notes, tablets, smartphones, isolando-se em seus mundos virtuais. O que antes era recinto para acolhimento e troca de ideias, hoje, tornou-se depósito de seres humanos robotizados e alienados.

Nem mesmo se tem a liberdade de acender um cigarro e, entre uma tragada e outra, liberar ideias e desenvolver roteiros para um novo romance ou conto.

Enquanto simula profunda tragada num cigarro imaginário, o senhor ajeita a flor na sua lapela, alisa o tecido da calça no padrão risca de giz e abre um envelope amarelado pelo tempo. Uma carta se abre diante de seus olhos cansados que – ao percorrer suas linhas -, ganha um brilho intenso.

Se alguém prestasse atenção, veria um personagem bem interessante saído de um filme noir.

Dobrando a carta e devolvendo-a ao envelope, saboreia mais um gole do café fazendo careta. Massageia o rosto flácido, coça a cabeça que ainda mantém uma cabeleira farta. Guarda o envelope no meio de um velho livro de capa de couro.

-Ana Maria… por onde andará a essa altura da vida? Será que ainda é viva?

-Senhor? Falou alguma coisa? Deseja mais café? – pergunta uma jovem garçonete que limpa a mesa ao lado.

-Não minha filha. Sou só um velho resmungão que tem por costume falar sozinho.

-O senhor é muito refinado. Sempre que aparece pede por favor, agradece. Um cavalheiro! Isso não existe mais não.

-E você minha jovem, demonstra ter um olhar para o próximo e está sempre com um sorriso nos lábios para atender a todos. Isso também é raro.

-Sim. Mas hoje, percebo que o senhor está triste. Desculpe se estou sendo invasiva mas, aconteceu alguma coisa?

-Além de jovem, bonita e atenciosa, ainda é observadora. Agora virei seu fã!. Tem razão mocinha. Hoje, acordei saudoso de um tempo que não volta mais. Coisa de velho solitário. Não liga não.

Dizendo isso, toma um último gole do café já frio, reúne seus pertences, ajeita o chapéu de feltro cinza na cabeça e sai, desejando boa noite para a moça.

Pensativa, a garçonete recolhe a xícara usada pelo senhor. É quando percebe algo caído próximo a cadeira: uma foto em preto e branco com um belo casal de jovens abraçados e sorridentes.

A moça, linda em seu vestido rodado e chapéu com véu cobrindo parcialmente seu rosto bem feito. O jovem, impecável em seu terno estruturado em risca de giz, chapéu de feltro e um cigarro acesso no canto da boca.

Romântica, a jovem guarda a foto em seu avental para, no dia seguinte, devolvê-la a seu dono. Não deseja tomar para si talvez o único elo de um passado feliz de um velho solitário. No fundo, sente uma pontada de inveja por não ser a moça feliz ao lado do jovem amoroso.

-É, já não se faz amor como antigamente…

-Falando sozinha Janaína? Deu para isso agora?

-É chefe. Às vezes tenho isso.

-Então deixa os devaneios de lado e vá atender a mesa 8.

-Ok!Ok! É vida que segue. É trabalho que chama!

Imagem licenciada: Shutterstock

Parabólica ambulante

Acredita em encosto? Não? Ah, pois eu acredito. Já fui “cavalo” para muitos.

Na pré-adolescência, com todos os hormônios em ebulição, uma Pomba Gira se aproximou e deu o maior trabalho para minha mãe que morria de medo que sua pobre cria se desviasse do bom caminho.

Ela me levou a um terreiro onde fizeram de tudo para me salvar e fui proibida de passear por praças e parques públicos. Orientaram mamãe de que não poderia usar roupas, acessórios e esmalte carmim. Evitasse também maquiagem forte.

Logo eu, que desde pequena, fui vaidosa!

Por insistência dela, evitei por um tempo mas depois, com tantas reviravoltas na vida, caiu no esquecimento.

Como resultado, virei parabólica. Teve um Preto Velho que vivia me dando conselhos. Alguns até bem pertinentes. Pena que a teimosia e imaturidade da época me cegaram. Resultado? Muito murro em ponta de faca.

Certa vez, descobrindo a música erudita, fiquei fascinada com o talento e sensibilidade de Maria Callas. Ouvi tanto que acabei por atraí-la. Acredita nisso? Não é papo de pescador. É a mais pura verdade.

Do nada, passei a cantar feito a Diva. Dá-lhe Callas no banheiro, no metrô, nas filas dos postos de saúde, no pátio do colégio. A diretora, assustada com minhas intervenções musicais, decidiu chamar minha mãe para uma conversa.

Voltando para casa, ela olhando de lado, falou: Ou você trata de se cuidar e seguir o que os guias orientaram, ou te interno numa clínica de loucos. Entendeu?

Aos quatorze anos, assisti a uma apresentação de ballet na TV Cultura, e me apaixonei pela figura forte e ao mesmo tempo delicada da bailarina Maya Plisetskaia . No próprio quarto, comecei a dar os primeiros passos. Foi um tal de plies pra cá, grám plie pra lá, rond de jambes marcando o assoalho do quarto. Passava horas me exercitando na vã procura de me transformar numa bailarina de verdade. Mais uma vez, minha progenitora, desconfiada que só, buscou ajuda espiritual. Afastaram a entidade de Maya.

Passei uma temporada – como dizia minha mãe -, normal. Até chegar as Olimpíadas de Montreal e assistir as apresentações da menina prodígio Nadia Comaneci. O que aconteceu a seguir foi pior que encosto. Segundo a médium do centro que minha mãe frequentava, passei a sofrer de fascinação. E isso era bem pior que encosto, pois estava sofrendo fascinação de um ser vivo.

Queria de toda forma ser como Nadia. Esforçava-me para alcançar a excelência da ginasta. Por conta própria, fui numa escola de Ginástica Olímpica que descobri em meu bairro. Conversei com o técnico, fiz uma apresentação. Ele se empolgou com meu talento e me orientou: converse com sua mãe e peça para ela vir falar comigo. Você tem futuro menina!

Vi meu futuro de melhor ginasta brasileira, quiçá, mundial, avinagrar quando toquei no assunto em casa. Irada com mais essa maluquice, mamãe me deixou de castigo por tempo ilimitado. Boicotou todas as minhas investidas de me transformar numa ginasta.

Então descobri Elis Regina que foi um divisor de águas em minha vida. Iniciei ali, minha coleção e adoração a essa que – até hoje para mim -, é a maior cantora do Brasil. E também minha revolta com o destino afinal, por que ela tinha de morrer tão cedo? Antes mesmo de eu poder assistir um show dela?  A sua influência sobre minha pessoa foi tanta, que adotei seu cabelinho curto que usei por anos. Identificação total. Quando ela morreu, passei dias e dias sem dormir direito. Orava toda noite por ela chegando inclusive, a sonhar que nos encontrávamos. Desse encosto, nunca me curei. Virou crônico.

Minha vida com os livros, trouxe-me outros tantos encostos. Dessa vez, com os personagens que marcaram suas digitais em minha alma. De certa forma, são fantasmas que habitam meu interior. Faz com que não me sinta sozinha nesse mundo tão fragmentado e banal.

Meu mais novo, constante e talvez, para toda vida encosto, é a presença diária de Caio Fernando Abreu ou simplesmente Caio F.

Não passo um dia sem ler pelo menos duas crônicas sua. A conexão é tanta, que por vezes, chego a sentir sua presença, seu hálito lendo em voz alta o último texto escrito. Sinto alegria em poder ser privilegiada em ser a primeira a ouvir de sua boca, a crônica da hora.

Leio, releio, emociono-me. Choro.

Outro dia, flagrei minha mãe – agora já grisalha -, repousando seus cansados olhos em mim enquanto lia novamente Sapatinhos vermelhos.

Nada falou. Entrou no quarto, sentou-se ao meu lado e me envolveu num doce abraço. Como há muito não fazia. Afagando minha cabeça, disse:

-Filha, seu coração é tão cheio de amor que transborda e te afoga. Hoje reconheço que o que antes acreditava ser loucura, nada mais é que excesso de sensibilidade.

Sorrindo, acariciei seu rosto e, repousando minha cabeça em seu colo, falei:

-Mãe, a minha glândula pineal deve estar gasta. Não tenho tido mais nenhum contato com o além. Talvez esteja envelhecendo também ou sofra de excesso de realidade.

-E filha, crescer dá nisso!

Imagem licenciada: Shutterstock

Confesso: eu vivi

Imagem licenciada: Shutterstock

Saio da minha terceira ida ao cinema para assistir Bohemian Rapsody, filme sobre a banda de rock inglês Queen, liderado pelo performático vocalista Freddie Mercury. Caminho lentamente pelos corredores lotados do shopping lotado de famílias e casais passeando. Feito autômato, mal ouço os comentários entusiasmados de minha irmã, também fã da banda. Mas não uma fã como eu.

Sorrio ao lembrar a experiência que jamais contei a ninguém. Tornou-se todos esses anos, meu, nosso segredo. Até mesmo porque, se contasse ninguém acreditaria. Uma vez que já tinha a fama de doida, preferi me poupar e manter esse segredo só para mim.

Após todos esses anos, relembrar, mais parece uma sonho. Talvez tenha sido mesmo e eu é que preferi acreditar que aconteceu. Mas no fundo, bem no fundo, sei que aconteceu.

Março de 1981, encontrava-me em meu segundo emprego, e desabrochava para a vida adulta aos dezoito anos. Esse mês ficou marcado pois vivi algumas experiência que se tornaram únicas e foram divisores de água no que fui e o que passei a ser depois. Trabalho, dinheiro próprio, primeiro show na vida. E abri minha temporada de shows com nada mais, nada menos que o show internacional que abalou São Paulo: Queen. Aconteceu nos dias 20 e 21 de março no estádio do Morumbi. Fui com minha irmã no dia 20. Aquela data foi mágica. A euforia de se ir a um estádio pela primeira vez, a massa humana seguindo o mesmo rumo com as mesmas expressões de alegria e ansiedade, o atravessar os portões e adentrar um campo que se tornaria por algumas horas, uma fantasia plena de melodia, dança, alegria, emoção. Consegui me embrenhar na multidão arrastando minha irmã e conseguimos assistir todo o show bem na frente do palco. Uauuuu!!!

Mas não é do show que desejo falar. Foi estupendo, quase consegui chegar até eles, para entregar meu inocente desenho que fiz de toda a banda. Tinha como meta, entregar em mãos no camarim. Driblei forte esquema de seguranças e com ajuda de uma jornalista camarada, cheguei até a porta do camarim, onde estavam concentrados após o show. Morri na praia. Não me deixaram entrar mas, garantiram que entregariam em mãos para Freddie. Resignada e frustrada, sai ao encontro de minha irmã que ficou do lado de fora me aguardando.

Naquela semana, trabalhando, ouvi uma conversa de minha chefe com seu marido que mantinha uma galeria de artes bem ao lado da boutique onde trabalhava. Ele confidenciava à ela que ficaria na galeria até mais tarde para receber uma visita internacional que havia demonstrado interesse em conhecer obras de artistas paulistanos. Ela perguntou quem era e ele respondeu: um vocalista de uma banda de rock que está em São Paulo. Na hora fiquei alerta e procurando ficar mais invisível, me aproximei da porta para escutar mais. Meu coração subiu para a boca tamanha expectativa de achar que poderia ser mesmo Freddie Mercury a visitar a galeria ao lado do meu trabalho e – mais ainda – , ao lado de minha casa! Era sorte demais!

Às dezoito horas, despedi-me de todos e segui para casa. Mantinha uma cópia das chaves da loja pois costumava abri-la pela manhã. Aguardei todos saírem e, após alguns minutos, me certificando que a loja estava vazia por completo, retornei e entrei sorrateiramente me escondendo no forro da loja que tinha ligação com a galeria afinal, era uma construção única. Pela primeira vez, não me importei com a possibilidade de estar dividindo o mesmo espaço com diversas lagartixas, minha grande fobia. Soube através da conversa do galerista, que a condição para ele vir seria ter acesso a ela sem ninguém por perto. Inclusive ele, que deixaria a porta aberta e esperaria no bar em frente. Só retornaria após o cantor escolher as obras de arte que levaria como souvenir para Londres. Soube que era um hábito dele fazer esses passeios e compras por todo lugar que fazia turnê. Acocorada no forro, respirando ar mofo e empoeirado, retive a respiração ao ouvir a porta principal se abrindo. Algumas vozes dialogaram em inglês e depois, silêncio. Não conseguia enxergar ninguém. Por instantes pensei que tivessem ido embora mas, quando já pensava em sair daquela posição incômoda, eis que a figura ímpar surge em meu campo de visão segurando um quadro Naif com os olhos brilhantes. Parecia hipnotizado pelo que via. Também me encontrava em estado hipnótico quando aconteceu o que não esperava: do nada, ele elevou seu olhar em minha direção. Perguntou: Quem está aí? Saia!

Acabei descendo e – muito envergonhada -, pedi desculpas num inglês bem sem vergonha.

Me encarou por alguns minutos num silêncio constrangedor analisando minha pessoa magricela e suja de pó. Até que movendo os lábios numa atitude de quem queria segurar o riso, posicionou o quadro que segurava ao lado de outros já selecionados e, colocando suas mãos na cintura, caiu numa gargalhada sem fim. De início fiquei sem graça mas, contagiada, caí na gargalhada.

Ficando sério, perguntou meu nome e idade. O que fazia lá em cima? Me espionava ou queria roubar a galeria? Rimos novamente. Fez uma mímica para que sentasse num sofá que havia na sala. Sentei e fiquei olhando para minhas mãos. Mal conseguia pensar. Meu Deus!!! Estava ao lado de meu ídolo e não sabia o que fazer nem dizer! Surreal.

Acendeu um cigarro e perguntou se queria fumar também. Sorri mas declinei no que ele respondeu: Faz muito bem menina. Cigarro mata.

Cantarolei baixinho Lily of the Valley e ele me olhou espantado. Sorriu e cantou em dueto comigo. Óbvio que não era páreo para ele mas cantamos a canção inteira e rimos novamente.

Mostrei algumas telas que gostava inclusive duas do marido de minha chefe e ele concordou comigo. Disse que eu tinha bom gosto. Ao finalizar suas escolhas, virou-se para mim e disse:

Do you know what? I like you a lot! – Dando uma última tragada em seu cigarro, apagou, virou-se e me envolveu num abraço caloroso. Despediu-se de mim e, da mesma forma que entrou, saiu. Fiquei parada no centro da sala de exposição entre inúmeros quadros Surrealistas e Naif separados por ele sem saber o que pensar ou fazer. Ouvindo vozes se aproximando, saí rapidamente de cena subindo para o forro e retornando para a boutique até que todos se foram. Observando a rua vazia, saí da loja e entrei em casa para levar uma bronca federal de minha mãe.

– Onde esteve até essa hora menina? Quer matar sua mãe de preocupação? O que fazia na rua?

Com os olhos marejados de emoção, sorri e disse a ela:

– Sonhando mãe, sonhando… Quer saber? Sonhei o sonho mais lindo de minha vida!

Peguei-a pelas mãos e cantando Seaside Rendezvous, dei alguns passos de dança com ela.

Balançando a cabeça sorrindo, disse que eu não tinha jeito mesmo.

– Deite de vez e continue sonhando na cama.

Essa noite não preguei os olhos.

Essa é minha homenagem a esse grande cantor e compositor e, acima de tudo, grande roqueiro que marcou minha adolescência. Homenagem também ao Rock enquanto estilo musical e filosofia de vida.

Sem amarras

Um belo dia acordei, olhei pro teto ainda no escuro e decidi: chega dessa essa vida! Não quero mais acordar às seis da manhã, fazer meu café, me trocar, pegar o metrô e chegar ao trabalho todo santo dia fazendo as mesmas coisas. Basta de rotina! Vou zerar essa minha vida burguesa de classe média.

Levanto, vou ao banheiro. Estou prestes a abrir o chuveiro para uma ducha quando paro e decido: se quero realmente mudar, devo começar por aqui.

Pra que banho?

Volto pro quarto, visto um jeans, camiseta velha, coloco o tênis mais surrado que tenho. Começo a escovar meus cabelos e paro.

Fazer o de sempre Malú?

Desgrenho ele todinho. Olho-me no espelho e gosto do que vejo.

Maquiagem? Nem pensar!

Abro o guarda roupa e analiso. Não vou levar nenhum desses terninhos de trabalho. Não vou precisar mesmo! Sapatos de salto agulha?

Nunca mais! Alforria!

Abro as gavetas de lingeries. A primeira só tem conjuntos rendados, pra lá de cavados. Muito sexy.

Não me servem mais.

Chega de bancar Dita von Teese pra marmanjos que só babam pelos nossos orifícios nas terras baixas.

Abro a segunda gaveta e encontro minhas calcinhas de cotton. Brancas e beges. Aquelas que dão arrepios nos mesmos marmanjos. Só que arrepios de horror. Eles as acham horrorosas!

São essas que vou levar.

Numa mochila coloco lingeries básicos, meias soquetes, três camisetas e mais uma calça jeans.

É o suficiente.

Dou uma boa olhada em meu quarto me despedindo. Observo meus inúmeros vidros de perfumes, cremes hidratantes, óleos e sais pra banho.

Não me servem mais.

Ligo o note e redijo uma carta de demissão agradecendo pelos anos de confiança que depositaram em mim, desculpando por sair de forma tão abrupta e impessoal. Como não comparecerei ao escritório para tratar das formalidades que as leis trabalhistas impõem tanto ao contratante quanto a contratada, deixo claro que podem atestar abandono de emprego.

As consequências?

Não me importo.

Aproveito para também escrever uma carta de despedida à todos os conhecidos e familiares, os poucos que ainda mantenho contato. Explico que estou bem, que foi uma decisão sábia apesar de parecer loucura e que em breve mandarei notícias de onde estiver.

A única coisa que levo dessa antiga vida é o note e o celular. Vou radicalizar, mas ainda preciso deles.

Enfio-os na mochila e saio sem olhar para trás.

Fora do prédio sou batizada por uma boa garoa matinal simbolizando meu renascimento. Deixo para trás – o que para muitos -, é status de sucesso e conquistas.

Saio sem rumo certo.

Sigo para a rodoviária do Tietê e lá escolherei um itinerário qualquer. Viverei assim. Um dia por vez. Sem planos, sem compromissos a não ser comigo mesma.

Quero a liberdade plena de escolha. Não importa que elas me tragam dissabores. Fazem parte da vida.

Dessa que por hora optei.

Imagem licenciada: Shutterstock

Sentença final

Sabe aquele momento onde um resultado pode mudar radicalmente sua vida? Aqueles minutos que transcorrem após a notícia que ecoa em sua mente.

O ingresso naquela universidade que tanto sonhou, o emprego disputado com vários profissionais que te intimidou, o primeiro pedido de namoro, a viagem que sempre idealizou, o telefonema anunciando que alguém amado morreu.

Essas são apenas algumas das situações em que nos vemos presos entre a realidade e um corredor para o nada que simboliza o desconhecido.

Mas nada se comparara a notícia que sacramenta sua finitude nessa existência. Ao cair em nossos ouvidos, a frase traça uma coreografia fora de compasso até chegar ao cérebro. Processar é outro movimento estranho.

Estou condenado. Vou morrer. Vou morrer. Vou morrer… Difícil assimilar essa sentença afinal, por mais que saibamos que todos temos prazo de validade, preferimos passar essa peteca para os outros. E quando não temos mais ninguém a quem passar, segurar essa bola de fogo nas mãos é trabalho penoso.

A mente, confusa, não processa o fato. Perde-se em milhares de sinapses que se batem entre si causando confusão. O coração, por instantes pára de bater e depois cavalga em descompasso dificultando a respiração. Uma sudorese se espalha por todo o corpo.

Em breve, não sei quando, esse corpo não mais estará aqui enfrentando o trânsito, adentrando metrô lotado, aguentando o mal humor das pessoas que como eu, temem esse momento.

Não mais provarei os sabores de pratos gastronômicos, nem os vinhos que tanto amo.

E o que dizer do meu futebol? Nunca mais a expectativa de acompanhar da arquibancada meu time de coração ganhar uma partida. Ou perder, que também faz parte do jogo. Nunca mais xingar o torcedor anônimo do time adversário nem chamar ele pra briga.

A música, meu segundo alimento, se perderá no espaço assim como minhas moléculas.

A leitura e a escrita também farão parte do que um dia fui. Será que deixarei lembranças naqueles que ficarem? E se deixar, serão boas ou más?

Alguém sentirá minha falta ou – em sete dias após a missa -, cairei assim como tantos, no vácuo do esquecimento? Pior, nem missa terei. Lembrei que não sou católico. Alguém irá chorar por mim?

Será que minha vida foi em vão? Afinal, nada fiz de excepcional para demarcar meu nome para posteridade. Fui medíocre. Tudo em minha vida foi mais ou menos. Tive preguiça de me esforçar para ser melhor em alguma coisa. Contentava-me com o mínimo.

Estranho saber que desde já, não pertenço mais a isso tudo chamado vida. Mais estranho ainda, é saber-se lembrança. Fragmentos de uma memória que com certeza criarão de mim e não o que fui de fato. Isso, nem a gente sabe. Partirei para um nada cósmico sem ter a certeza do que fui.

Finito. Repito. No pouco tempo que me resta, vou criando meu rito.

Finito… Mais uma vez repito para mim mesmo. Trabalho no sentido de fazer a passagem o mais leve possível. Menos dolorosa mesmo que a carne grite. Mesmo que a alma insista em permanecer aqui.

Finitude…Busco uma razão para gostar da partida. Imagino cenas novas na minha minissérie preferida no qual sou protagonista. Feito Cacilda Becker, desejo sair de cena no próprio palco. Altivo. Destemido. Ousado.

Oh Deus! Misericórdia! Sei que nesse processo, não sou nada. Apenas um saco de gordura, água, fluídos. Mas…E isso tudo que carrego aqui dentro? Emaranhados de sensações, emoções, desejos, lembranças? Isso tudo não é matéria para os vermes. É o que então?

Não tenho resposta para essa e tantas outras indagações que surgem filosoficamente nesse momento único. Como já disse lá atrás o filósofo dos filósofos: Só sei que nada sei.

E nessa total ignorância , me perderei retornando para o berço de tudo transformado em poeira cósmica anônima. Sem registro, sem CPF, sem documento algum que me identifique e diferencie dos demais que já partiram.

Talvez essa seja a verdadeira democracia. É na morte que nos nivelamos e nos tornamos iguais perante o universo.

 

Imagem: Google (desconhecido)

Falta de visão

Noite chuvosa e uma ventania batucando na janela. Perfeita combinação para ficar debaixo de cobertas bem quentes. No entanto, Jussara, inquieta, levanta-se e despindo por completo, abre a janela de seu quarto. Abrindo os braços, sorri aliviada sentindo os pingos da chuva aliviar seu fogacho.

Há dois anos não sabe o que é dormir tranquila por conta dessas ondas de calor que lhe possui o corpo durante a noite. Não que durante o dia fique livre, contudo, são mais espaçadas. Agora à noite o bicho pega…

O sorriso a acompanha ao virar de costas e sentir além dos pingos, o vento assoprando e amenizando seu fogaréu interior. Uma felicidade inesperada a invade e inicia uma coreografia sem música ali mesmo, às 3 horas da manhã de uma terça-feira. Nem se dá conta que, de um prédio próximo, numa das janelas, alguém também com insônia a observa esquecendo seus próprios problemas.

Através da fumaça do cigarro e entre goles de uísque, um homem maduro abandona sua máscara diária de contrariedade e sofrimento deixando à mostra, o jovem saudável e cheio de sonhos que foi um dia. Tudo por conta dessa aparição na janela.

-Quem será ela? Não consigo enxergar direito mas ela parece ser linda! Estará dançando para algum sortudo? Quisera eu ser a platéia para essa dança.

No interior da sala, Jussara continua os passos coreografados, um misto de Ballet clássico com dança selvagem. Vem à lembrança a figura de Josephine Baker. É exatamente assim que ela se sente. Livre, leve e solta. Livre, principalmente dos calores que a sufocam.

Toda essa movimentação a faz lembrar de quando tinha quatorze anos e frequentava as aulas de Ballet de madame Remy.

Mulher mignon, refinada, delicada nos gestos porém, de uma rigidez na disciplina que a transformava numa déspota com suas pupilas. Jussara gostava de seu jeito. Sorriu satisfeita em ver que, mesmo após tantos anos sem dançar, ainda conseguia se movimentar com leveza.

Do outro lado, o homem encheu novamente o copo e acendeu mais um cigarro. Sorria entre a fumaça e os goles ao observar os seios ainda firmes que, soltos, se movimentavam com delicadeza acompanhando os braços delgados que se abriam como se quisessem alçar voo. Os cabelos da misteriosa mulher o encantou: longos, fartos e grisalhos.

-Preciso conhecer essa mulher! Onde esteve esse tempo todo que nunca a vi? Tão perto e tão distante. Essa cidade é mesmo muito louca! – dizendo isso, caiu numa risada rouca ao ver sua musa girar em frente a janela e parar de olhos fechados sentindo os pingos da chuva em sua face.

A dança durou  mais uns minutos até que satisfeita, Jussara cerrou a janela e após um banho, deitou e dormiu sentindo-se uma menina.

O homem, ainda permaneceu à janela, terminando seu cigarro e sua bebida, perdido em pensamentos que há muito não tinha: desejo.

A esperança de que ela voltasse acabou e, com suas expectativas frustradas, fechou as cortinas e retornou ao seu trabalho. Agora, sentindo-se revigorado com sua musa.

Amanheceu satisfeito com sua produção. Ela o fez esquecer as dívidas, o abandono e traição de sua última companheira , e devolveu a vontade de se reerguer afinal, ele, o grande e respeitado ilustrador precisava voltar a brilhar e a ganhar dinheiro.

Fez um café forte, tomou uma ducha revigorante. Ao se olhar no espelho, observou sua fisionomia envelhecida, sua barba grande e desalinhada, seus cabelos sem vida e suas olheiras que denunciavam noites mal dormidas e excesso de bebida e cigarro. Pensativo, sorriu e radicalizou: raspou a barba e cortou o cabelo bem curtinho.

-Assim sim! Estou irreconhecível!

Vestiu seu velho jeans, camisa xadrez e colete. Posicionou na cabeça sua boina e, satisfeito pegou o portfólio. Resoluto, partiu para o metrô rumo ao escritório de sua editora. Na plataforma lotada, ficou ao lado de uma senhora elegante num terninho rosa claro, com uma echarpe suave a envolver seu pescoço. Óculos clássico e dois livros nas mãos. Trem chegou, porta se abriu e os dois sentaram-se juntos. Ocupados com os próprios pensamentos, não imaginam que foram protagonistas de um possível futuro encontro. A vida oferece muitas oportunidades para as pessoas se encontrarem, se conhecerem e se amarem. Pena que são cegas para esses pequenos e preciosos presentes. E cada um desce nas respectivas estações e seguem seus destinos. Quem sabe amanhã ou depois?

Criador e criatura

Da janela de seu quarto, observa um recorte do mundo exterior. Do lado de cá, é ciente de sua realidade. É só isso que tem. Contudo, o que não sabem, é da riqueza de sua imaginação. Através dela, percorre mundos paralelos e inventados por sua mente criativa e alimentada por muitas leituras desde que se alfabetizou. A rica moldura para a realidade, pincela traços grotescos de concreto envelhecido, pinturas desgastadas pelo tempo, vidros repletos de adesivos de estudantes que vem e vão, neons anunciando noitadas quentes a preços convidativos, drinques e diversão garantida, jardins verticais e grafites.

Sirenes rasgam o parco silêncio da rua anunciando mais doentes chegando ao hospital no final da rua. São mais frequentes aos fins de semana acompanhados de muitas cheiradas e álcool. A existência de muitos terminam ali.

Enquanto isso, sua vida segue arrastada numa rotina medonha. Não reclama. Está bom assim. Tem tudo à mão. Somente o que necessita para manter-se viva…

Tudo mudou há seis anos. Era outra pessoa. Ousada, destemida, competente e conhecida. Teve fotos estampadas por diversas vezes em jornais. Uma celebridade. Ganhou dinheiro, viajou, adquiriu imóveis. Aqueceu seu corpo escultural ao lado de muitos homens.

O prazer físico era um de seus vícios que – na medida do possível e também do impossível -, saciava. Seu duplex, decorado por Sig Bergamin, fora palco de muitas orgias. De três em três meses, abria as portas para um grupo seleto. Com direito a roteiro, personagens, boa gastronomia, bebidas à vontade. Baixelas de prata repleta de pó espalhadas por toda parte ofertavam aos convidados, momentos de puro êxtase sensorial, corporal, acompanhados sempre por música clássica ou eletrônica além de trechos de poemas e contos de autores conhecidos ou anônimos. Tudo variando conforme o tema estabelecido por ela. Toda festa era sucesso absoluto e comentadas por semanas nas rodas de amigos. Amante de sexo grupal, seu clímax era o anal que a deixava louca de tesão e estimulava fila indiana da ala masculina para enrabá-la. As mulheres participantes sugavam seus peitos bem garantidos pela gravidade entre outras brincadeiras. Seus bicos chegavam a sangrar de tão chupados e mordidos. Não ligava. A dor fazia parte do jogo. Inúmeras vezes gozou equilibrando-se no parapeito da janela do vigésimo andar. Ali, nas alturas, nua, sentindo o vento a lhe abraçar o corpo junto com algum outro a lhe penetrar, sentia-se verdadeiramente livre e dona do mundo. Seu mundo. O sexo tornou-se seu vício maior. Mais que a cheiradas, picadas e destilados. O parceiro desse vício era o risco calculado. A adrenalina era altamente prazerosa. Foi ousando e se arriscando cada vez mais. Até o momento que seus parceiros de aventura começaram a sair de cena. Muita loucura. Sem maiores explicações, a vida lhe deu um xeque-mate antes que ela fosse responsável pela morte de alguém ou de si mesma. Certa manhã, despertou sentindo-se estranha. Não reconheceu ao mirar-se em seu espelho veneziano. Recolheu-se debaixo dos lençóis egípcios e permaneceu na penumbra por várias horas. Que se tornaram dias, meses, anos. Raras vezes saiu do edifício a não ser para ir ao médico da família que a acompanha desde então. Os amigos, de início até a visitavam mas, aos poucos se distanciaram. Ela não era mais divertida. Olhar ausente pairando sabe-se lá em que paisagens causava incômodo a quem se aventurasse a visitá-la. Muda. De mulher extrovertida e com os temas sempre atualizados sobre tudo, nada mais pronunciava. Sua articulação desembaraçada havia se perdido. Somente balbucias incompreensíveis. Sua beleza – antes admirada e invejada -, agora, apenas um punhado de pele flácida de coloração acinzentada. Seus cabelos volumosos, com brilho e sedosos, hoje, um emaranhado fosco e quebrado. Ela o arrebenta em momentos de crise…

Lê mais uma vez o que acabou de escrever com a ajuda do software Motrix, instalado em seu notebook, sorri satisfeita com sua mais recente história e personagem.

Assim como Álvares de Azevedo, nada viveu em sua limitada vida porém, o que consegue vivenciar através de leituras e escritas comprova sua experiência! Por hora é só. Seu corpo pede repouso.