Rota improvisada

Saí. Fugi do metro quadrado que me ilude fazendo crer que é seguro. Percorri ruas que há muito não via. Contabilizei inúmeros imóveis fechados, comércios que vibravam de movimentação, hoje, com suas portas cerradas e letreiros apagados.

Fui abusada. Sentei numa mesa na calçada e me permiti almoçar culinária japonesa. Um luxo em tempos pandemônicos.

Não contente, percorri a avenida mais icônica da cidade de São Paulo e – mais uma vez abusada, brindei a mim mesma com uma bela xícara de café que saboreei sem pressa, sentada numa confortável poltrona, apreciando a movimentação de máscaras anônimas a serpentear pela calçada.

Uma vez na rua, resgatei o prazer de caminhar sem roteiro, nem planejamento. Desci a Frei Caneca, desviando de pedintes, trabalhadores, jovens sarados percorrendo a rua numa caminhada forçada, bebericando seus isotônicos.

O clima ajudou fazendo surgir um sol que de tão claro, chegava a cegar os mais sensíveis. De mãos em riste protegendo os olhos, desci devagar, registrando sons de buzina, motor, vozes, britadeiras.

Registrei a vida seguindo em frente, desviando e dando uma banana para essa praga que assolou o mundo no ano de 2020.

Caminhei até chegar à Praça Roosevelt e me deixei misturar aos jovens de skate, bike, aos inúmeros casais ou aos que – solitários pelos cantos, puxavam fumo com suas máscaras abaixo do queixo, pouco se importando se estão colocando em risco suas vidas.

Quase chegando em meu endereço, decidi dar mais uma volta numa tentativa talvez inconsciente, protelando o retorno ao casulo. Percorri a Praça da República onde uma multidão mantém a normalidade de sempre na região.

Entrei numa quitanda e observando frutas e legumes frescos, não resisti e fiz uma pequena feira. Escolhi abobrinhas que reluzem num verde claro mesclado. Já antevejo a iguaria que farei com ela. Separei também um cacho de bananas nanica. Uma das frutas preferidas desde criança. Escolhi quatro laranjas Bahia importada. Lindas, enormes, caras. Contudo, mereço esse agrado. Quase finalizando minha pequena compra, eis que vejo uma bandeja com cachos de uva Vitória, sem sementes.

De posse de minhas sacolas, cheguei ao meu destino. Sufocada pela máscara já úmida, suando pois saí de casa pela manhã com casaco e blusa de gola rolê não imaginando que a temperatura chegaria aos 30 graus no meia da tarde.

Após um banho longo, um creme hidratante espalhado por todo o corpo que me proporcionou um gostoso relaxamento, desabei no sofá que já registrou meu formato e me envolve como se fosse abraço de vó.

Adormeci sentindo que ainda podemos ser felizes com muito pouco.

Imagem licenciada: Shutterstock

Visita dominical

Acordei com você em meu pensamento. Pensei: Será que sonhei contigo? Será que estive em espírito ao seu lado?

Não sei. Só sei que retornei a essa minha realidade, impregnada de você.

Levantei, fui para a cozinha fazer meu café para despertar de vez minhas células e você continuou a me seguir. Não coloquei resistência. Deixei você chegar, se aproximar, sentar ao meu lado à mesa e fazer o desjejum comigo.

Faz tempo não é mesmo? Sorrindo, lembrei das inúmeras vezes em que te provoquei. De pequena, confesso, era minha distração preferida. Nutria um prazer indescritível ao te tirar do sério comigo. Ao final das contas, apanhava. Mas apanhava de gosto. Será que sou masoquista?

Nada disso. No fundo, em minha mente infantil, sabia que mesmo numa atitude mais agressiva, estava lá, o toque de seu amor. Não guardei mágoas de você.

Do outro lado da mesa, observo seus olhos embaçarem. Desviam de mim mirando os prédios através da janela.

Bebericando mais um pouco do café, recordo da vez em que – solitário tomando conta de três crianças pequenas -, preocupado com a esposa hospitalizada, levou-nos ao parque de diversões. Fiquei tão feliz! Tão feliz, que essa lembrança ganhou matiz mais colorido e sempre se destaca quando abro as gavetas da memória. Não conseguia compreender porque minha irmã mais velha só chorava e meu irmãozinho mais novo, quase um bebê, chamava por minha mãe.

Também sentia falta dela mas, aquele momento era único para mim afinal, era tão raro você sair conosco para se divertir. Trabalhar para trazer o pão de cada dia para casa, impedia de você ter mais contato com a gente.

Recordei do dia em que te fiz chorar. Te provoquei o dia todo. Estava com a “macaca” e de alguma forma, precisava chamar sua atenção. Você quis me pegar, bater. Corri para a casa da vovó, você foi atrás. Vovó ponderou, orientou você a ter paciência comigo e eu, por trás dela, fazia caretas e micagens para você. É, eu sei. Fui cruel. Admito.

De noitinha, após o jantar, mandou todos se deitarem. Menos eu. Até mamãe saiu de perto. Olhando profundamente para mim, perguntou se estava contente com tudo o que havia aprontado durante o dia. Mantive o olhar firme em você. Não respondi. Apenas continuei a olhar. Sem piscar.

Apanhei. Uma. Duas. Três…Perdi a conta. mantive o olhar fixo e não derramei uma única lágrima. Em compensação, você saiu. Somente vinte e tantos anos depois de sua partida, soube por mamãe que você chorou a noite toda por ter me batido. Saber disso me doeu mais que as cintadas que levei nas pernas. Sangrou meu coração.

Na adolescência, tornei-me mais rebelde. Entrava e saía de casa e mal te olhava. Gótica que fui, vesti meu corpo, meus olhos e minha alma de preto.

Diante dessas lembranças, você levanta e vai para junto da janela não permitindo que veja sua expressão. Mas sei qual é.

Ironia das ironias, somente em sua doença, me aproximei desarmada e por um tempo, nos tornamos grandes amigos compartilhando piadas, risos, lágrimas, cerceadas por silêncios que diziam muito.

Você partiu muito cedo. E por muito tempo, ao final da tarde ainda ouvia seu assovio alegre de quando voltava para casa.

O que mais sinto, é não ter fotos ao seu lado, tipo um selfie, de nós dois rindo de algo. Que pena afinal, hoje, gostaria demais de estar ao seu lado rindo de todas as besteiras e palhaçadas que fiz em criança. Ah, fuçando por aqui, encontrei algumas fotos que “roubei” da caixa da mamãe. Ela que me perdoe mas queria ter você aqui comigo, de alguma forma.

Distraída que fiquei com as lembranças e esse texto e as lágrimas que me embaçam enquanto digito, dou conta que me encontro novamente só.

Você se foi sorrateiro, silencioso, da mesma maneira que chegou.

Um esboço de sorriso melancólico se desenha em meu rosto, hoje maduro, repleto de manchas senis e rugas. Obrigada pai, pela visita, por esse encontro como forma de reatar, aparar as arestas do passado e reforçar nossos laços de amor incondicional. Volto a dizer: você foi muito cedo.

Vê se da próxima vez fica para o almoço.

O “barato” de se viver

Ao me deparar com a possibilidade da finitude ao qual todos estamos fadados, passei algumas noites refletindo: se souber que tenho apenas alguns dias de vida ou apenas umas horas, o que vou procurar fazer?

Perguntei a mim mesma: está com medo?

É claro que o medo existe afinal, humana que sou, trago inseguranças de todo tipo. Mas, o que gostaria de fazer para servir de legado à minha partida ou que sirva de desfecho grandioso antes de pegar o trem para a eternidade?

Talvez, devido ao momento que vivemos – onde nos encontramos resguardados da possível contaminação pelo vírus -, falta-me imaginação para pensar em algo diferente.

Vasculhando meu interior através dessa reflexão, cheguei a uma conclusão:

se vou morrer hoje, amanhã ou daqui a vinte anos, não pensaria em fazer nada de extraordinário. Apenas viver. Vivenciar meu dia-a-dia de forma intensa. Enxergar beleza em todo lugar e em todo ser vivo. Continuar apreciando as notas musicais de meus compositores preferidos: Mozart, Vivaldi, Albion. Cantar mesmo que desafinadamente minhas canções da Bossa Nova, afinal, mestre João Gilberto abençoou os desafinados. Sorte a minha!

Sambar de cadeiras endurecidas as canções de Martinho da Vila, deixando-se contagiar por sua deliciosa malemolência. Permitir-se em alguns momentos a melancolia e o desespero da mulher abandonada tão bem retratada na potente voz de nossa eterna “Pimentinha”. Amo derramar litros de lágrimas ouvindo sua voz. Verdadeira terapia musical: vou ao fundo, do fundo, do fundo do poço e retorno de alma lavada.

Seguirei com minhas leituras apreciando anos de solidão de Gabriel García Márquez, passando pela narrativa afiada de Rubem Fonseca em Secreções, excreções e desatinos. Perceber inclusive que as 100 escovadas antes de ir para a cama, é muito mais que uma história sobre certa “Lolita”.

Continuarei meus rituais de bebericar meus cafés e minhas xícaras de chá nos horários que meu relógio biológico reclamar, mantendo o prazer sempre à frente no comando dessa vida que a qualquer hora pode cessar.

E a poesia? Ah, essa permanecerá sempre tatuada em minhas retinas e em minha alma pois ela, é o tempero especial que eleva e torna tudo mais bonito. Acompanhada de Pessoa, Leminsky, Drummond, Quintana e tantos que não li mas, que ainda terei tempo de conhecer. Caso não me seja permitido, já estarei em ótimas companhias. Nada a reclamar!

Quer saber? Tudo isso já faço portanto, não mudaria minha rotina em absolutamente nada a não ser, viver. Até o último suspiro. Viver!