Livros

IMG_20121219_144021

Vivo entre livros de forma mais intensa desde 1991.No entanto, os livros sempre exerceram certo fascínio em mim.

Quando pequena, observava de longe os livros de capa de couro de um tio que lia muito e também os livros de latim e francês de outro tio. Achava isso de ter muitos livros o máximo!

Porém, a situação financeira da família tornava esse sonho um tanto quanto impossível. Quando papai começou a trabalhar numa empresa de mudanças, passou a trazer para casa livros largados de famílias que se mudavam e fez a festa da família toda. Muitos gibis, HQs do Fantasma, Aventuras de Tom Sawyer, Mary Poppins, Viagem ao Centro da Terra. Esses livros nos acompanharam por muitos anos até se desintegrarem.

Ao começar a trabalhar numa biblioteca por pura necessidade, não imaginava que se transformaria em meu lar. Passo mais tempo dentro dela acompanhada por mais de quarenta mil livros do que ao lado da família que só vejo por algumas horas aos domingos. Ouço suposições de que o livro vai acabar desde que entrei para a faculdade. As livrarias estão aí para desmentir pois nunca se produziu tantos livros como atualmente. Após duas décadas trabalhando em bibliotecas, presenciei a vinda dos e-books, conheci muitos textos incríveis e seus autores através de blogs e também passei a escrever neles. E os livros seguem firmes e cada vez mais bonitos e criativos. É claro que com a facilidade em se publicar, também surgiram muitos livros ruins mas, até nisso ele é democrático. Existe público para tudo, inclusive, para literatura considerada ruim.

E hoje, Dia Mundial do Livro e dos Direitos Autorais, passei mais um dia cercada por Nietzsche, Drummond, Dante Alighieri, Rick Rordan e tantos outros que fazem desse espaço, um pedaço do paraíso onde você se instrui, se diverte e descansa a mente e o corpo desse frenesi que é viver.

6 comentários sobre “Livros

  1. Eu estava a escrever sobre os e-books na semana passada e falava justamente dessa teoria aborrecida de que os livros irão acabar. Discurso que se repete há anos. Marco sempre diz ‘falavam o mesmo da rádio, com o surgimento da televisão e da mesma com a internet’. Estão todos aí, inclusive o livro. Tem espaço para todos e outra coisa que me aborrece é a tal história monótona de que se lê pouco no Brasil. Não! Apenas não se lê o que querem, de cinquenta tons ao bruxinho, de Paulo Coelho a Zibia. E o pior é que o pessoal que lê esses livros dizem que não leem graças a patrulha sempre de prontidão a julgar o leitor. rá

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s