Lamento haitiano

haiti

Ai de ti Haiti, que surgiu no planeta bem aí, onde nem Judas quis perder suas bostas.

Ai de ti Haiti, que almejou ser gente numa terra de déspotas.

Ai de ti Haiti, que veio ao mundo criando negros e pobres.

Ai de ti Haiti, que nesse tempo de existência, quis pertencer ao Caribe.

Ousou falar o francês. Que insensatez!

Ai de ti Haiti, que sonhou uma liberdade. Tentou sem nunca ter de fato.

É praga! É karma! É exclusão do mundo cão que só tem olhos para gente bonita e branca.

À ti, Haiti, só restou violência e paciência por dias melhores, migalhas de quem ostenta caridade para fazer bonito nas redes sociais.

À ti, Haiti, só restou o desprezo de todos e até da natureza que se rebela por criar lugar tão maldito. E fica-se o dito pelo não dito. E o povo segue vida miserenta. Por conta disso, nem avança, nem melhora. O jeito é aguardar pa-ci-en-te-men-te a próxima desgraça.

Um dia terremoto, outro Matthew.

Taquipariu!

Ai de ti Haiti…

 

Imagem: Google

 

 

Anúncios

Dieta Paulistana

paulistanosAndo um pouco cansada do ser humano que teima em continuar patinando no mar de lama de sua própria ignorância. E quando digo ignorância, aponto a pobreza da alma e não da matéria. Sou de origem pobre. Minha infância e adolescência foi muito difícil e só não passamos fome porque sempre contamos com a caridade de almas bondosas. Toda essa minha introdução, é para apontar a postura de algumas pessoas que adoram apontar seus dedos em riste para aqueles que nem conhecem e julgam e condenam baseados em fatos (forjados ou não) bem rasos. Exemplo do que falo, é a atual situação político e econômica do país onde parece que a nação se dividiu. De um lado, os pseudo intelectuais esbravejando pensamentos esquerdistas pra lá de ultrapassados que não combinam com o momento atual. De outro, adoradores da direita que, embasados por uma filosofia emprestada e mal explicada, se posicionam contra os pobres, os desafortunados, os negros, homossexuais e mulheres esquecendo-se que fazem parte também desse grupo. Tenho lido nas redes sociais, muitos comentários maldosos e equivocados de pessoas de fora de São Paulo, expressando seu asco por o PSDB ter vencido e retirado o PT da prefeitura. Piadas infames ofendendo o povo que sua diariamente, trabalhando sem parar arrastando nas costas o crescimento da cidade, do estado, da nação.

Gente, só tenho a dizer que: o buraco é bem mais embaixo. Não abraço nem defendo nenhum partido, até mesmo porque, os políticos não respeitam a filosofia de seus partidos. Fazem o que querem.

Trabalhamos sem parar. Vivemos correndo para todos os lados. Somos considerados estressados, carrancudos, orgulhosos e sabe-se lá mais o que. Carregamos essa caricatura de “paulistanos” como se isso fosse uma mácula. Defendo o que sou, de onde venho e onde moro porque conheço a fundo nossos problemas. Para todos que não vivem aqui, não sabem um terço de nossa realidade e ainda acham graça em nosso perfil de povo, só tenho uma coisa a dizer: Acham que estamos na merda por tomarmos água de esgoto? Acham que detemos o rei na barriga e nos consideramos superiores ao resto do país? Se olharem para o próprio umbigo e suas realidades em cada Estado que vivem, verão que a situação não difere muito de São Paulo. Ou, por outro lado, alguns estão vivendo em situação calamitosa há décadas e reelegem os mesmos coronéis. Mas sempre a grama do vizinho salta aos nossos olhos não é mesmo? Mais fácil olhar e criticar o companheiro do lado do que observar os próprios defeitos e tentar superá-los. Nós paulistanos não temos a beleza natural das praias do Rio de Janeiro e de outras capitais do Nordeste. Temos como cenário, o asfalto, o concreto, o vidro e as chaminés de centenas de fábricas que empregam e dão o alimento às famílias. Fomos moldados para o trabalho seja em escritórios, fábricas, comércio, construção civil. Não temos quase tempo para o lazer, porque temos muito, mas muito mesmo a fazer.

Meu corpo, alquebrado aos cinquenta e três anos, não está tão exausto quanto minha alma que, diariamente, ouve e lê absurdos que só comprovam minha teoria de que nós – e nisso me incluo também pois não sou melhor que ninguém – ainda temos muito, mas muito a aprender. Só que para aprender a grande lição, teremos de comer literalmente muito capim até provarmos que já evoluímos um pouquinho. Brasil, pátria dos que pensam que são, dos que desejam ser, dos que acham-se superior aos demais…

São Paulo, terra da garoa que hoje, ressecada por tantas mãos que vieram de fora e sugaram suas riquezas, ainda assim, continua a abrir seus braços e abrigar todos que desejam encontrar aqui, um futuro melhor. Por favor, antes de pisar nesse solo, deixe de lado seus pensamentos preconceituosos e mal formados e entre desarmado. Aqui, encontrará além de oportunidades, solo fértil para amizades, amores e aconchego. Não julgue pela nossa cara sisuda. É pura preocupação em ofertar o melhor. Esse é nosso jeito.

P.S.: Desculpem o  texto longo mas, diante de tantas agressões gratuitas e desnecessárias afinal, se nós paulistanos tomamos suco de merda e fizemos tal “merda” ao eleger fulano ou sicrano, lembrem-se que é graças a esse poderoso adubo natural que carregamos o país inteiro nas costas. Mais uma vez digo: não sou nem me sinto melhor que ninguém apenas sigo trabalhando e não tenho tempo pra traçar comentários denegrindo sulistas, nordestinos e etc. Sou do povo. Sou paulistana. Sou brasileira. Ponto!

Haja merda pra tantos equívocos!

Imagem: Rafael Neddermeyer