Mais uma de Marcelina

Lembra da Marcelina, aquela minha colega de repartição que outro dia achou meu esmalte exótico?
Pois então, a cabrita se estranhou comigo hoje. Logo hoje que acordei com os ovos virados, dormi mal, perdi o capítulo da novela, assisti ao noticiário jantando, tive indigestão, pois cai na besteira de comer ovo frito com bacon, briguei com o ficante por WatsApp, pela manhã queimei a mão fazendo café, me atrasei, perdi meu ônibus, cheguei e tive de aguentar a cara feia do chefe e, quando retornava do almoço, ainda com a comida parada no trânsito digestivo, fomos chamadas para uma reunião da equipe. Nem adiantou dizer pro meu chefe que ainda não tinha terminado meu horário do almoço. Lançou um olhar “dizima ateu” que me deixou sem chão. Fiquei mordida!
Blá!Blá!Blá!Blá!Blá!…
Vocês sabem como funciona uma reunião. Um saco! Chefe falando, povo fingindo que ouve mas pensando na morte da bezerra até que Marcelina resolve pedir a palavra.
Pensei: Ih, lá vem!

Só via a boca de Marcelina se movimentar, seus olhos passarem em todos ali presente até que em dado momento, fixou em mim.
-Oiiii!! Alô Terra! Alô Terra! – sua voz empertigada e monótona chegou até mim causando um tédio maior.
Ai Deus, é comigo que ela fala. Mas…O que falou mesmo? Putz, nem prestei atenção!
-Desculpe Marcelina, não entendi o que disse. Pode repetir por gentileza?
Munindo-se de seu arsenal irônico conhecido de todos, abriu um meio sorriso conseguindo enfeiar ainda mais sua cara de cuíca com cabelinho a lá Tiririca com presilha de lado.
-Cara colega, cara colegaaaa. Assuma logo que não estava prestando atenção na reunião. Que se encontrava léguas de distância desse escritório – falou revirando os olhos levemente estrábicos

Silêncio total. Um, três, cinco minutos que pareceram mil. Todos já começavam a demonstrar certo incômodo pela situação e eu, firme olhando-a nos olhos que já começavam a tremer num tique nervoso.

Foi tão automática minha resposta que bem mais tarde é que caí na real do que havia falado e gerado todo o tumulto posterior da “bichinha”.

-Deixa de viadagem Marcelina! Deus do céu que ninguém mais te aguenta!

Frase solta no ar e somente um som de respiração suspensa e o engasgo da pobre sentindo-se ofendida. Colocando sua mão no peito numa pose de virgem casta do século XVIII, Marcelina se escorou no armário logo atrás dela e começou a balbuciar frases de total desgosto com minha pessoa.

-Chefe, não posso com isso! Não estou acostumada a esse palavreado. Isso me ofende e entristece profundamente… Soluçando ameaçou sair da sala no que foi barrada por mim, novamente numa atitude que não costuma ser meu natural.

-Daqui você não sai sem antes retornar a assumir uma postura madura condizente com sua idade cronológica Marcelina. Já está mais do que na hora de você amadurecer e deixar de lado esses pitis de eterna virgem ofendida. Póparáviu!

-Chefinho, chefinhooo…desgosto total com essa situação. Nunca imaginei passar por isso…Mamãe!! Não posso com isso, preciso sair daqui agora

-Não sai não e já disse e repito: Deixa de viadagem mulher! Affê que consegue tirar qualquer cristão do sério! Não sei como a gente te aguentou esses anos todos viu! Já deu!

A temperatura já alcançava o topo suportado por qualquer ser humano quando meu chefe, respirando fundo, fungando devido ao seu desvio do septo, coçou sua careca, bateu na mesa e falou energicamente:

-Basta vocês duas! Pelamordedeus como é difícil trabalhar com mulheres! Se pudesse, só tinha homens em minha equipe. Ah, façam-me o favor. Caladas as duas!

-A culpa é dela! – falamos em uníssono e no mesmo tom agudo de voz de toda mulher quando perde as estribeiras.

-CALADAS EU DISSE!!! – vociferou o já arroxeado Lourival

Cada uma se afastando e se apoiando em lados opostos feito boi brabo.

Em meu interior, minha cachola funcionava a pleno vapor e meu pensamento era de que essa situação daria uma boa história. Enquanto tramava a historieta, observava a expressão da pobre Marcelina tentando se recompor. Sua boca continuava se movimentando num rulhar de frases desconexas que não chegavam a mim. Quando vi, a sala já estava vazia tendo somente eu e meu chefe Lourival que olhava para mim e ria com seus olhos apertados e lacrimejando.

-Oi? Desculpa chefia mas não entendi o que falou. Pode repetir?

-Deus do céu onde estou com a cabeça que não despeço as duas!

-Pôxa…não sei o que deu em mim Lourival. Não sei mesmo mas de uma hora pra outra, parece que fui possuída. Minha boca falava sozinha e surgiu uma ira, uma irritação com a Marcelina que ói…Se não tivesse controle sobre minhas emoções, tinha sobrado sopapo pra cima da pobre viu! Não tenho palavras pra me desculpar. Se quiser me imputar uma suspensão, compreenderei.

Olhando-me direta e profundamente, Lourival sentenciou:

-Tá maluca? Suspender você e perder mais uma sessão de humor feito a que vi aqui? Quer saber minha opinião: Estão perdendo tempo e dinheiro trabalhando nesse escritório. Deviam se unir e começar juntas uma carreira de humoristas. Não sabe a força que fazia aqui para bancar o sério e não cair na gargalhada. Vocês duas viu!

-Não tá bravo mesmo? – perguntei desconfiada

-Claro que não mas olha, que isso fique entre nós mas eu também acho a Marcelina um porre! Agora chega, vá para sua mesa e vamos trabalhar

Dizendo isso, meu adorável chefe deu uma piscada dando por encerrada nossa conversa. Voltei correndo para minha mesa e iniciei essa história enquanto ainda estava fresquinha. A gente ganha pouco mas se diverte muito aqui.

O que será que Marcelina irá aprontar na próxima vez que se encontrar comigo no café hein?

Anúncios

4 comentários sobre “Mais uma de Marcelina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s