A culpa não é das estrelas. É das moscas

moscasTravo uma luta desigual com moscas minúsculas que rondam minha sala. Elas são muitas e organizadas e absurdamente insuportáveis em sua teimosia em querer tomar de mim, meu panetone.

Você ri? Daqui de onde me encontro não vejo graça alguma. Luto para abrir a boca e levar um naco pra dentro.

Sem acompanhantes. Tenho de desenvolver mil mãos para abanar a todas enquanto abro a boca e nhám!

Ao mesmo tempo, tenho de ser rápida o suficiente para tomar meu gole de café, não deixar que a porra dessa merda de ventilador ligado em minha direção faça voar tudo e ainda afastá-las (elas, as moscas) do teclado do computador que é por onde vos escrevo.

Parando agora para pensar um pouco, a situação chega a ser hilária.

Ainda tenho de travar outra luta – essa interna – com meu aparelho ortodôntico que disputa comigo as migalhas do panetone. Minha língua, feito soldado medieval futuca ferozmente o pedaço da massa que ficou refém dos elásticos e dos fios ortodônticos. Não dá para ter finesse assim. Ninguém merece!

O que? Ficou com nojinho foi? Larga de frescura vai? Quem nunca? Hã?Hã?

Droga! Esqueci que panetone me dá dor de estômago. A fogueira da inquisição estomacal já iniciou por aqui. Sinto-me a própria Joana D’Arc ardendo em praça pública. Sim, porque também me encontro rodeada de pessoas nesse exato momento e todas acompanham disfarçadamente meu sofrer. Sabe, vou confessar uma coisa a vocês: não sei disfarçar muito bem. Devo estar fazendo cada careta! Minha mãe sempre falou que sou careteira desde pequena. Acho até que é por isso que se implantou uma rede rugal por toda minha face de fazer inveja a malha viária e ferroviária da cidade de São Paulo. Culpa das caretas desde pequena. Não há creme rugol que desfaça tais vias muito menos apelar para o Santo Pitanguy. Até mesmo porque não ganho para pagar um trato da parte dele.

Isso me fez lembrar da série de plastificadas que cresce a cada dia no mundo. Sempre fui da opinião de que jamais farei plástica nem uso do famigerado Botox. Pra ficar com cara de Barbie mumificada e inexpressiva? Jamais!! Prefiro minhas rugas que darão verdadeiros concertos fólicos cada vez que eu sorrir a rir ou chorar com a alma porque o rosto plastificado e paralisado impedirão as pessoas de decodificarem minhas emoções.

Vocês já repararam nas mulheres que fazem plásticas incessantemente mas que se olharmos para suas mãos e pescoços, parecem aquelas galinhas d’angola?

Ah! Vai dizer agora que estou morrendo de ataque de invejinha delas?

Não mesmo. Tanto assumo minhas rugas quanto assumo minhas mãos e pescoço que já demonstram sinais do tempo e do mal trato. Minhas mãos envelhecidas, repletas de veias esverdeadas, meu pescoço que, com a perda de elasticidade e gravidade, pendem feito goela de peru. Outro dia, diante do espelho (maldito espelho!) fiquei irada depois caí numa gargalhada sem fim observando meu papo murcho que pendia de um lado a outro conforme eu movia a cabeça. Senhor! Mata-me aos vinte porque dos cinquenta em diante é judiar demais!

Gentem, ai Meu Deus! lembrei!

Outro dia, fazendo meus pés, observei que os dedos estão se entortando e se desalinhando todo. Parece que se desuniram numa briga familiar e cada um quer seguir um caminho. Um horror! Putz meu caro e minha cara, envelhecer é isso? Os nós das mãos estão engrossando e ficando doloridos impedindo de fechá-las muitas vezes.

Ah! Outra coisa: outro dia, experimentando biquínis para minha próxima viagem, toda empolgada que estava, reparei que minha barriga mudou de paisagem. De chapada transmutou em Morros. E uivantes porque aquele monte de pele (ou será pelanca) sobrando se amontoam parecendo  uma cadeia dos Andes. Completou-se o quadro e cheguei a seguinte conclusão: na próxima viagem passarei em uma loja muçulmana e comprarei uma coleção completa de burcas. Coloridas para não ficar tão triste afinal, é verão minha gente! Alegria!Alegria! Como já cantava Caetano.

E já vou parando por aqui antes que me jogue dessa imensa janela que dá para o Parque Trianon. Não é bem assim que desejo ficar para a posteridade.

Mas tudo isso começou como mesmo hein?

Ah! Tudo culpa das moscas. Malditas moscas que me infernizaram o dia inteiro por aqui.

Amanhã prometo trazer minha raquete elétrica para acabar com a alegria delas.

Mas o que é isso que vejo agora…verruga no dedo?? Ainnnnnnnnnnn…

Cega-me de vez Bom Deus pra não ver mais desgraça!

 

 

Imagem: Google

 

Anúncios

16 comentários sobre “A culpa não é das estrelas. É das moscas

  1. Roseli,
    Pode dizer que não tenho dó, mas daqui ri imenso! 😀

    A minha filha repete-me vezes sem conta “Estás velhinha, sabias?” ao que respondo “Só espero que chegues lá também!” Logo a seguir ela reflete e adiciona: “Mas sem esses traços (entenda: rugas) não serias o que és.”
    As nossas rugas, o corpo que se desforma, são apenas as marcas visíveis do no já vivemos! E isso, digam as adeptas da correção estética o que quiserem, não tem preço 😉

    Quanto às moscas, dizem que manjerico pode afastá-las… além de perfumar!

    Abraço!

    • Ah Dulce, muito bom esse seu comentário! Concordo contigo. Elas, as rugas, as manchas, as pintas são provas de nossas vivências, nossas experiências de vida. Não as troco. Tudo bem que de vez em quando a gente tenha um “ataque de pelanca” como se diz por aqui, rsrs Faz parte do pacote todo que é a vida. Grata pela dica do manjericão. Não sabia dessa. Vou utilizar.
      Abraço!

  2. “A fogueira da
    inquisição estomacal já iniciou por
    aqui. Sinto-me a própria Joana D’Arc
    ardendo em praça pública” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rachei de rir, Ro! Esta foi a pérola do texto kkkkkkkk.
    Te adoro!

  3. Amiga, dessa vez foi longe demais! ADOREI! O texto tem várias pérolas, mas pra mim, a do “mata-me aos vinte que aos cinquenta é judiar demais” é impagável! Você é ótima! Chorei de rir.

    • Não é mesmo? O jeito que descobri de lidar com o envelhecimento é rir de mim mesma. Tudo bem que rir demais também doí as juntas mas ainda é o melhor remédio. Grata por prestigiar meu blog! Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s