Encerramento do primeiro e único ato

Foto: Anderson Orsi

Pode uma vida murchar como rosas envelhecidas esquecidas num vaso?
Pode.
Uma vida que provavelmente teve uma infância como tantas outras. Uma adolescência cheia de planos, desejos, paixões.
Uma vida adulta com algumas realizações, decepções, outras tantas frustrações. Acontecimentos que podemos até classificar como corriqueiros na vida de todo ser humano em qualquer parte do planeta.
Então porque algumas pessoas não conseguem seguir adiante? O que leva uma pessoa a se afastar da família, amigos, vida social e cultural?
O que leva uma pessoa a se apegar ao carinho de um cão ao invés de investir pra valer num relacionamento verdadeiro, profundo, que traga compensações reais?  Não desmerecendo o afeto canino. Não. Muito pelo contrário. Sei bem o quanto a relação homem/animal pode ser prazerosa. Mas apostar tudo somente nesse relacionamento é árido demais.
Por que será que determinadas pessoas no decorrer de suas vidas tomam rumos tão equivocados e isolam-se em seus mundos tão particulares e se negam a sair deles?
Tantas perguntas e nenhuma resposta que me convença. A tristeza desce sobre mim feito um véu negro que me embaça a visão diante do fato:

Ela deu fim a sua vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s